terça-feira, 28 de março de 2017

[RESENHA] Tudo e Todas as Coisas - Nicola Yoon

“Tudo e Todas as Coisas” foi um dos títulos mais comentados no mercado editorial brasileiro, ano passado. Digo isso porque eu passei dias vendo o livro ser resenhado por vários blogueiros. Mas o que mais me inquietou foi o fato de que a história da Nicola Yoon dividiu opiniões: uns amaram, outros não encontraram nada relevante ou significativo para ser recomendado. E eu, muito obviamente, já havia colocado o livro na lista de desejados e precisava ler o quanto antes. Adquiri o livro na Black Friday e por apenas cinco reais. Legal, né? Mas só vim fazer a leitura recentemente, mais precisamente dois dias após ter saído o primeiro trailer da adaptação com o mesmo nome. E se você está indagando se eu recomendarei a leitura ou não, mais a frente direi.

Edição: 1
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581637884
Ano: 2016
Páginas: 304

Nota: (4/5)
"Minha doença é tão rara quanto famosa. Basicamente, sou alérgica ao mundo. Qualquer coisa pode desencadear uma série de alergias. Não saio de casa. Nunca saí em toda minha vida. As únicas pessoas que já vi foram minha mãe e minha enfermeira, Carla. Eu estava acostumada com minha vida até o dia que ele chegou. Olho pela minha janela para o caminhão de mudança, e então o vejo. Ele é alto, magro e está vestindo preto da cabeça aos pés. Seus olhos são de um azul como o oceano. Ele me pega olhando-o e me encara. Olho de volta. Descubro que seu nome é Olly. Talvez eu não possa prever o futuro, mas posso prever algumas coisas. Por exemplo, estou certa de que vou me apaixonar por Olly. E é quase certo que será um desastre."
Madeline Whitttier (Maddy), é uma jovem aparentemente comum, mas possui uma doença rara: IDCG - Imunodeficiência Combinada grave; é como se ela fosse alérgica a absolutamente TUDO, só esperando para que algo inimaginável se torne a principal razão para que sua alergia venha à tona, e isso a faz viver confinada em sua própria casa quem tem ar filtrado para não contaminá-la. Maddy vive com uma enfermeira que cuida dela dia após dia e com sua mãe superprotetora

Tudo começa a mudar quando uma família se muda para a casa ao lado. Maddy começa a observar curiosamente através do vidro da janela, até que o rapaz, Olly, passa seu e-mail e eles começam a se falar, buscando se conhecerem, e tornando a vida da protagonista mais viva e diferente, e também modificando-a completamente. 


"[...] Mas a diferença entre saber e ver pessoalmente é a diferença entre sonhar que se está voando e voar de verdade."
Pág.: 77

Aqui temos uma história simples, com personagens caricatos e um romance juvenil, singelo e até doce. Se sua expectativa é encontrar um drama delicado, doloroso e até complexo, é melhor partir para outras leituras. A história de Maddy, por mais que apresente uma síndrome comumente desconhecida e grave, não soa complicada ou difícil; talvez até pareça um pouco delicada devido a alguns problemas pessoais vividos não só por ela, mas por Olly também. No entanto, não há nada que tenha me feito sofrer ou ficar com o coração pequenininho, entende? Há um determinado momento na trama que me fez pensar que uma tragédia iminente me aguardava na página seguinte, mas logo fui confortado pela autora e nada temível aconteceu. A simplicidade está presente em todo o enredo e é justamente aí que reside a beleza do livro. É um entretenimento que propõe pensar de modo diferenciado, sob a perspectiva de alguém que não teve a chance de viver, de fato, sua vida, mas nada muito além disso.

Olly é um rapaz especial. Diferentemente de muitos jovens da sua idade, ele não enfrenta problemas simples, mas nem por isso consegue ser uma pessoa áspera. Muito pelo contrário. Ele consegue lidar de forma muito gentil e delicada com cada pessoa, situação, e não trata seus sentimentos de forma deliberada. E perceber que a autora não se precipitou ao construir o romance entre ele e Maddy muito me confortou. Foi muito fofo acompanhar ambos saindo da zona de conforto, permitindo-se viver algo novo e indo além, sem receio das possíveis consequências. É previsível que os dois enfrentem obstáculos até mesmo para manterem uma conversa comum, dada a vida da protagonista e todas as limitações impostas, mas nada parece impedi-los (até certo ponto, ouso dizer).

Maddy é uma protagonista carismática, levemente ingênua (não chega a tanto), mas senti que ela poderia ter sido mais determinada e firme em certos momentos. Eu entendo que é difícil tomar decisões quando toda a sua vida é baseada em aceitar qualquer ordem da sua mãe e ainda não ter a mínima possibilidade de sair, ver o mundo, nadar, conhecer novas pessoas etc. Esse aparente "conforto" que sugere uma comodidade saudável e segura é muito perigoso e pode, sim, gerar personalidades passivas e até omissas. No entanto, esperei ansiosamente para que ela conseguisse ir adiante, fizesse diferente e me convencesse, mas não foi o que aconteceu, infelizmente. Ela não é uma protagonista irritante, certo? Antes que pense que a odiei: longe disso! Apenas admiro personagens mais corajosas.

A narrativa da Yoon é absurdamente viciante, objetiva e até poética. Gostei bastante da forma como ela se permitiu narrar a história sob a perspectiva da protagonista, porém, entretanto, contudo, e todavia, acho que poderia ter se aprofundado mais e ter escrito capítulos narrados pela mãe da Maddy. Senti a necessidade de compreender melhor e intrinsecamente o que passava na cabeça da mulher que impôs tantas limitações na vida da sua filha por temer perdê-la inesperada ou inusitadamente. Creio que isso poderia ser aproveitado e até daria mais profundidade à história, de modo geral. 

Para concluir, deixo claro que "Tudo e Todas as Coisas" é um bom livro juvenil. Esperava mais do final, confesso; achei que a autora se apressou demais, atropelou determinados momentos relevantes e finalizou sem empolgação alguma. Devido a isso, o livro perdeu uma estrelinha comigo, infelizmente. Mas vale a pena conhecer a Maddy, MAIS AINDA O OLLY (adiciona mais um crush literário na minha "pequena" lista) e vivenciar um romance fofinho. Até a protagonista, que vive numa casa e nunca sai dela, conseguiu um amorzinho e eu nada... Então, se você quer uma leitura rápida, simples e cativante, muito provavelmente este livro será uma boa escolha. Caso contrário, é melhor não insistir, não é mesmo?

DETALHE: Para quem não sabe, o trailer do filme já está disponível. Eu já observei algumas mudanças na adaptação (pra variar!), mas ainda espero que me agrade. Abaixo está o trailer para quem se interessa em conferir:




11 comentários:

  1. Oi, Leandro.
    Tudo bem?

    Gosto de histórias simples, mas que consegue prender e nos surpreender.
    Uma pena que a autora tenha se atropelado e não mostrou tanto o que de fato você esperava.

    Beijos,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Leandro!
    Tudo bem?
    Li e resenhei recentemente "Tudo e Todas as Coisas", gostei da forma como a autora desenvolveu o drama, que é bastante juvenil. Acabei me surpreendendo muito com o final. Enfim, estou ansioso para assistir a adaptação.

    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Leandro!

    Comprei o livro faz um mês mas ainda não tive a oportunidade de ler, sempre ouço muitos elogios, esta e a primeira resenha que leio que encontro alguns pontos negativos, mas fico feliz que mesmo assim você tenha gostado da estória e da escrita da autora, eu estou super curiosa e espero ler antes do filme, obrigada pela sinceridade.

    Beijinhos


    Resenha Atual

    ResponderExcluir
  4. Olá, Leandro.
    Eu quero ler esse livro antes do filme. Mas como tinha achado muito parecido com ACEDE acabei deixando de lado. Quem bom saber que não é assim, fiquei mais animada para ler. Eu prefiro narrativas em terceira pessoa, só prefiro em primeira quando temos várias visões da história. Vamos ver o que vou achar, espero não me decepcionar.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi Lê! Adorei sua resenha honesta e sincera! Acho que mesmo com as ressalvas vou tentar conferir antes de sair o filme!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Oie Virginiano lindo <3

    Eu gostei bastante desse livro. Achei a leitura leve e despretensiosa. Aquele típico livro fofo e clichê que você vai ficando cada vez mais viciado na narrativa conforme a história avança.

    Concordo com você em relação ao final. Achei ele tão, mas tão broxante ¬¬ Foi justamente ai que o livro perdeu uma estrelinha comigo também rs...

    Confesso que estou curiosa para saber como a adaptação ficou. Só espero não me decepcionar.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  8. Oi Leandro,
    Eu quero muito ler essa obra!
    Lembro que quando fui comprar estava em falta e aí deixei passar. O trailer me animou novamente.
    Mas essa questão do final.... Ai Ai Ai. Preciso ler para entender.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

  9. Oi Leandro!
    Eu já comprei o livro mas ainda não li. A história parece ser bem singela msm, fiquei ainda mais curiosa qnd vi o trailer do filme. Vou tentar ler antes dele sair, haa
    Adorei ler sua opinião ;)
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Oie gatinho, tudo bom?
    Me conhecendo do jeito que você me conhece, você acha que eu teria paciência para esse livro? Pois eu tento, tenho ele aqui. Mas a vibe dele não bate com a minha vibe. Acho que vai ficar quietinho na estante até segunda ordem.

    Beijos,
    Paixão Literária

    ResponderExcluir
  11. Oi Leandro!
    Eu li recentemente "O sol também é uma estrela" da mesma autora. Pelo que você comentou, os dois livros são bem parecidos.
    Vi o trailer e quero assistir o filme quando sair.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir

Comente com moderação!